TOPO

“Guia gastronômico: o que e onde comer em Palermo”

O que e onde comer em Palermo? Os diversos povos que habitaram a Sicília deixaram influências que são vistas no dialeto local, na arquitetura, no artesanato e, claro, na gastronômica. Palermo é sinônimo de multiculturalidade!

A gastronomia siciliana, em si, é muito rica – com destaque para a sua comida de rua. E Palermo é a cidade perfeita para apreciá-la! Por isso, em uma passagem em Palermo, não dá pra deixar de conhecer o melhor que a sua cozinha tem a oferecer.

Mas afinal, o que e onde comer em Palermo? Nesse artigo eu vou trazer um guia gastronômico da capital da Sicília, com dicas dos melhores pratos e lugares que tive a oportunidade de conhecer durante a minha estadia por lá.


Planejando uma viagem para a Itália? Não esqueça de contratar o seu seguro viagem obrigatório! Compare os valores das melhores seguradoras através da Seguros Promo e use o cupom VIAJAQUEPASSA5 para receber 5% de desconto.


O QUE COMER EM PALERMO: ARANCINA

O que comer em Palermo: Arancine

Foto: Sfrigola

Não dá pra viajar para a Sicília e não provar o tradicional arancino. Ou seria arancina?

Bom, saiba que Palermo e Catania disputam pelo melhor quitute siciliano e, enquanto em Palermo ele se chama arancina (arancine no plural), em Catania é chamado de arancino ou aracinu (arancini no plural). É uma confusão, mas procure se atentar às vogais na hora de fazer o seu pedido: os palermitanos e cataneses realmente podem se sentir ofendidos.

O que é: a arancina ou arancino/u nada mais é do que um bolinho de risoto recheado e frito. Normalmente é redondo, mas também pode ter formato afunilado e lembrar muito a nossa coxinha – alinhe bem as suas expectativas, ou você pode se decepcionar.

Os sabores mais tradicionais são ragù (carne moída) e burro (que significa manteiga, mas também leva mussarela e presunto). No entanto, também é muito comum encontrar outros sabores, como spinaci (queijo e espinafre), funghi (cogumelos com ou sem queijo) e melanzane/alla norma (beringela, molho de tomate e queijo/ricota).

Mas só pra dar uma aquecida na rixa, já deixo aqui o meu veredito: os melhores arancine (plural, lembra?) que comi em toda a Sicília, foram os de Palermo. Dois lugares, em especial, fazem valer esse título e, a seguir, te conto quais são.

ONDE COMER:
Sfrigola

Uma coisa sobre a arancina é certa: ela precisa ser fresca. E mais fresca do que a arancina da Sfrigola, não há. Todos os quitutes são preparados e fritos na hora. O processo pode demorar um pouquinho, especialmente se a fila estiver grande.

Ah, aqui vai uma dica que aprendi com um chef siciliano: quando a arancina for fresca, espere 5 minutos para comê-la. Como o bolinho é grande, o recheio não chega a aquecer durante a fritura. 5 minutos é o tempo ideal para uniformizar o calor e deixá-la perfeita.

Na Sfrigola você vai encontrar desde sabores mais tradicionais a versões veganas, assadas ou mais exóticas, como frango ao curry.

Ke Palle

No Ke Palle a arancina não é frita na hora, como acontece na Sfrigola, mas o movimento lá costuma ser tão grande que é praticamente impossível comer uma arancina “velha”. Além disso, na minha opinião, a arancina do Ke Palle consegue ser ainda mais gostosa do que a concorrente. A minha impressão é de que o risoto é mais molhadinho e temperado.

Igualmente, o Ke Palle também possui opções vegetarianas, veganas e assadas, além de sabores especiais e sazonais. A melhor arancina que provei lá foi uma versão de queijos especiais, que não está no cardápio regular.

O QUE COMER EM PALERMO: CANNOLI

O que comer em Palermo: cannoli

A confeitaria palermitana é renomada, mas o grande destaque certamente vai para o doce siciliano mais famoso: o cannolo (cannoli é plural)!

A receita, apesar de relativamente simples, é também cheia de segredos. A massa frita precisa ser leve e crocante. O recheio ideal leva apenas ricota fresca de leite de ovelha (uma iguaria que a Sicília domina), açúcar impalpável e gotas de chocolate amargo. Além disso, algo muito importante para um bom canollo é que ele seja recheado na hora, caso contrário, a massa fica úmida e murcha.

Sobre o creme, o canollo pode pode ser polvilhado com açúcar impalpável e decorado com gotas de chocolate, amêndoas, frutas secas ou pistache (minha versão preferida).

ONDE COMER:
Cannoli e Co

Como uma boa apreciadora do doce, experimentei a versão de muitas (muitas mesmo) confeitarias da cidade e cheguei no meu lugar preferido: Cannoli & Co.

O Cannoli & Co é especializado em cannoli, embora também ofereça gelato artesanal. O que eu mais gosto do cannolo de lá é que tudo é muito bem equilibrado: a massa é crocante, o recheio é doce na medida, a ricota tem um sabor bem suave e a consistência é perfeita. Ah, e claro, todos os cannoli são preparados na hora!

De bônus, o Cannoli & Co fica grudado no Ke Palle, o que é perfeito para uma refeição completa. Você pega uma aracina (ou duas, por que não?) e, de sobremesa, se delicia com o melhor cannolo da cidade!

O QUE COMER EM PALERMO: CASSATA

A cassata certamente é um dos doces sicilianos mais famosos e é especialmente tradicional em Palermo. Em qualquer confeitaria (paticceria) da cidade, lá vai estar ela, em destaque, na vitrine.

A receita nasceu durante a dominação árabe da ilha, mas sofreu várias modificações ao longo dos anos. Basicamente, é uma torta a base de pão de ló, creme de ricota, gotas de chocolate, creme de amêndoas e frutas cristalizadas.

Confesso que não é a sobremesa que mais me agrada. Acho muito doce! Mas é muito apreciada na Sicília, especialmente na Páscoa.

ONDE COMER:
Pasticceria Costa

Como não é o meu doce preferido, procurei recomendações de outras pessoas sobre a melhor cassata de Palermo e cheguei na Pasticceria Costa. Muitos consideram a versão de lá a melhor de Palermo.

A Pasticceria é super tradicional, tem uma decoração linda e oferece muitas outras especialidades além da cassata.  Aliás, mesmo que você não queira experimentar a cassata, a visita ao local vale a pena.

O QUE COMER EM PALERMO: GRANITA

A granita é certamente uma das coisas mais típicas da Sicilia. Durante o verão, com o calor absurdo que faz na ilha, muita gente até troca o capuccino pela granita no café da manhã. A bebida (ou seria sobremesa?) nada mais é do que gelo moído com sabor. Pode ser de fruta, café ou, nas versões mais tradicionais, pistache ou amêndoas.

E, veja bem, aqui vou trazer uma indicação de uma das melhores granitas de Palermo, mas não da Sicilia. Por que? Bom, porque as granitas da Catânia são incomparáveis. E digo isso com a maior tranquilidade. Enquanto as granitas da Catânia tem quase a cremosidade de um gelato, as de Palermo são granuladas/aguadas, mais parecidas com a nossa raspadinha.

Isso é motivo pra você não tomar uma granita em Palermo? Claro que não! Ela é ótima de qualquer jeito.

ONDE COMER:
Caffeteria del Corso

A Caffeteria del Corso fica entre os Quattri Canti e a Catedral de Palermo. É bem pequena, praticamente uma porta. Pegue uma granita para viagem ou sente em uma mesinha na calçada. O lugar é bem simples, mas serve uma das melhores granitas de Palermo, bem cremosa e com frutas de verdade.

O QUE COMER EM PALERMO: GELATO COM BRIOCHE

O gelato com brioche é outra tradição da Sicilia, mas que para muitos pode parecer esquisito.

Primeiro, uma pequena consideração sobre o brioche: na Sicilia o brioche é um pão, parecido com o que conhecemos por brioche no Brasil (na verdade a origem dele é francesa). Pode parecer óbvio, mas faço essa observação porque em outros lugares da Itália, principalmente no norte, o tradicional cornetto que se come no café da manhã (que lembra um croissant recheado) é chamado de brioche, e aí rola uma confusão.

Pois bem, voltando à iguaria siciliana, o gelato com brioche é simplesmente um sanduíche de pão brioche recheado com sorvete. Há quem goste e há quem prefira a casquinha.

ONDE COMER:
Brioscià

Basicamente, dá pra encontrar o gelato com brioche em quase toda gelateria ou bar de Palermo (mas dê preferências às gelaterias artesanais).

Se quiser um lugar certeiro, a minha indicação é a Brioscià. É uma rede, mas nem por isso perde o seu mérito. Os gelatos são excelentes e a loja é especializada na iguaria.

O QUE COMER EM PALERMO: TORTA SETTEVELI

A origem da torta setteveli é algo bem controverso. Três chefes italianos (Luigi Biasetto, Cristian Beduschi e Gianluca Mannori) – nenhum siciliano – teoricamente criaram a torta setteveli durante a participação da Copa do Mundo de Confeitaria em Lyon, na França, em 1997. Com o sucesso da sobremesa, os chefs registraram a marca da torta e mantêm a receita da criação em segredo.

Acontece que muitos palermitanos asseguram que a torta setteveli original é uma criação da Pasticceria Capello, de Palermo. Muitas pessoas relatam, inclusive, que a torta é comercializada pela confeitaria desde a década de 70.

Verdade ou mentira, a torta é indiscutivelmente deliciosa e bem tradicional na capital siciliana. A torta setteveli (que significa “bolo sete véus”) possui 7 camadas que levam bolo de chocolate, cereais crocantes, biscoito de cacau, creme de avelã, mousse de chocolate amargo e glacê de chocolate, não necessariamente nessa ordem. 

ONDE COMER:
Pasticceria Capello

Se for para experimentar a torta setteveli, que seja na (suposta) fonte: a Pasticceria Capello.

Recomendo visitar a loja depois do almoço, que é quando os balcões estão cheios de doces espetaculares. Pela manhã é um bom lugar para tomar café (o cornetto deles também é ótimo), mas corre o risco de você não encontrar a torta.

O QUE COMER EM PALERMO: PASTA ALLA NORMA

Pasta alla norma

Foto: Laissez Fare via flickr

Apesar de ter nascido em Catânia, a pasta alla norma é uma receita difundida em toda a Sicília. Eu, particularmente, adoro. E devo dizer que perdi a minha aversão a berinjela com esse prato.

Mas afinal, o que é a pasta alla norma? Bom, apesar de a receita sofrer muitas variações, em regra ela é composta por uma massa (normalmente rigatoni, penne ou fusilli), molho ao sugo, berinjela frita em azeite de oliva extra virgem, folhas de manjericão e um ingrediente especial: ricotta salata.

Sobre a ricotta salata, não confunda com aquela ricota fresca e cremosa que encontramos em qualquer mercado. A ricotta salata é uma ricota seca e bastante salgada, de sabor marcante – lembra mais um queijo duro. Ela é produzida e bastante apreciada no sul da Itália.

ONDE COMER:
Osteria al Ferro di Cavallo

Dica boa a gente passa pra frente! Conheci a Osteria al Ferro di Cavallo através da dica das meninas do Seat by the Window e adorei. O lugar não tem o melhor atendimento da cidade, especialmente quando a casa está cheia, mas a comida é impecável. Tudo que eu comi estava delicioso e de todas as pastas alla norma que provei em Palermo, definitivamente foi a melhor.

E, pra quem quer se aventurar num prato parecido, mas um pouco mais inovador, recomendo a pasta gattopardo. Aqui, a maior diferença é a apresentação: a massa (que nesse caso é o spaghetti) é envolvida em rolinhos de berinjela. Não sei exatamente o porquê, mas achei ela ainda mais saborosa. Só provando pra entender!

Para evitar a fila de espera, chegue (bem) cedo.

O QUE COMER EM PALERMO: PANE PANELLE E CROCCHÈ

Algo que não falta em Palermo, são as friggitorias (fritaderias), que servem quase tudo que pode ser frito e, dentre essas coisas, panelle e crocchè.

Panelle são bolinhos achatados feitos de farinha de grão de bico, enquanto crocché são bolinhos feitos com batata amassada e ovo. Os dois quitutes podem ser comidos sozinhos (normalmente são servidos em cones) ou em sua forma mais tradicional: com pão. Sim, a receita é um pão recheado com bolinhos fritos e nada mais. É um pouco seco e gorduroso? É! Mas vale o experimento gastronômico.

ONDE COMER:
Passami ù Coppu

O Passami ù Coppu tem a maior variedade de opções fritas que vc pode encontrar na cidade. Além do pane panelle e crocchè, também dá pra comer arancine, canolli e outras especialidades sicilianas. Uma coisa “não siciliana” que eu encontrei nesse lugar e adoro foi a fiore di zucca ripieni di ricotta (flor de abóbora recheada com ricota). Não deixe de experimentar!

DICAS BÔNUS: ONDE COMER EM PALERMO

Onde comer em Palermo

Pizza caprese, da Timilia

É claro que a culinária palermitana não pode ser deixada de fora de uma visita à capital siciliana, mas nem só dela vive a cidade. Não mesmo!

Durante o período em que morei em Palermo, pude conhecer diversos restaurantes e não posso deixar de indicar as minhas melhores experiências. Então, aqui vão elas:

Mercato di Ballarò

O Mercato di Ballarò está nas minhas dicas de o que fazer em Palermo e não é à toa. Se existe uma coisa que é a cara da Sicília, são as bancas de frutas, verduras, castanhas e peixes nos mercadões a céu aberto.

O Mercato di Ballarò abre todos os dias, mas recomendo passar por lá de segunda a sábado e sempre pela manhã, que é quando todas as barracas estão abastecidas e em pleno funcionamento.

Não deixe de provar o suco de romã (spremuta di melograno) feito na hora. Também é possível encontrar por lá praticamente todas as opções de comida de rua que existem na cidade, além de pequenos restaurantes especializados em peixes e frutos do mar.

BIGA Gênio e Farina

A BIGA Gênio e Farina fica em uma pequena porta na Via Maqueda e serve a pizza al taglio (por fatia). Mas o destaque do BIGA é a qualidade: a massa é super leve e aerada, já que passa por uma fermentação de longa duração, e para o recheio são usados apenas produtos premium.

Mesmo com o conceito “para viagem”, posso garantir que tem muita pizzaria “gourmet” que não chega aos pés da pizza de lá.

Pegue para viagem ou coma em uma das quatro pequenas mesas que ficam na calçada. O local também serve vinhos, cervejas artesanais e aperol spritz.

Timilia

Igualmente à BIGA, a Timilia vende pizzas em fatias, mas também oferece a opção de pizzas inteiras preparadas na hora. Recomendo a segunda opção (aliás, a pizza da foto é de lá).

Apesar de a massa não ser tão leve quanto a da concorrente, os ingredientes do recheio são de altíssima qualidade. É uma excelente opção para pegar no balcão e levar pro hotel, mas para quem preferir, eles também possuem mesas para comer na calçada.

Caffe del Kassaro

Quer comer uma massa boa e barata? Vá para o Caffe del Kassaro. O local é super simples, abre só para o almoço e é frequentado por locais.

A massa não muda – é sempre espaguete! -, mas é preparada com diversos tipos de molhos, custando entre 4 e 5 euros. Além das massas, o Café del Kassaro também possui no cardápio diversas entradas, pratos com carnes e frutos do mar, bem como sobremesas sicilianas.

Mounir Pizzeria e Kebab

Os quiosques de kebab podem até ser um pouco discriminados no resto da Itália, mas não em Palermo, onde a influência árabe ainda é tão forte. O Mounir Pizzeria e Kebab é um quiosque paquistanês que não só prepara os tradicionais kebabs, mas também o que chama de “pizza kebab”.

Pode até parecer um insulto à gastronomia italiana (sabemos bem o quanto eles são tradicionalistas), mas esse é um lugar verdadeiramente frequentado e recomendado por italianos. Se você aprecia a culinária arábe, vá sem preconceitos e sem medo. Só não espere encontrar um lugar luxuoso. O local é bem simples e você precisa comer em pé ou levar para viagem.

Vespa Café

O Vespa Café é uma boa pedida para tomar um Aperol Spritz no final da tarde ou, como os sicilianos gostam de chamar, um “apericena” (que significa: aperitivo + jantar).
Funciona assim: você pede um cocktail ou cerveja e paga um pouco a mais do que o preço regular (por ex: ao invés de pagar 5 euros, paga 10) e, para acompanhar, a bebida vem com uma tábua de aperitivos beeem generosa. Realmente, é uma janta!

Ah, se você possui alguma restrição alimentar, avise antes! Normalmente os bares procuram fazer substituições para se adequar.

Ballarak Magione

Essa dica é pra quem gosta de cerveja. O Ballarak Magione é uma cervejaria de produção artesanal e o local conta com diversas torneiras de chopes bem variados, de produção própria e de outras marcas.

A cervejaria fica em frente à Piazza Magione, que é bem agradável à noite. No verão, muitas pessoas pegam a sua cerveja e vão caminhar ou sentar na praça.

O ponto negativo é o fato de que não há muita opção de comida no local, apenas alguns tira-gostos.

Tags:    

«
»