TOPO

“Guia Florianópolis: o que fazer e mais dicas (com mapa)”

Não foi à toa que Florianópolis ganhou o apelido de “Ilha da Magia”. Como que em um toque de mágica, quem visita a capital de Santa Catarina se encanta com a forma que a cidade e as praias fizeram um casamento perfeito para proporcionar uma das melhores qualidades de vida do Brasil.

Beleza natural, praias para todos os gostos, boa infraestrutura turística, simpatia dos Manezinhos – como são chamados os nativos – e dona de um estilo de vida de invejar. Florianópolis é destaque na lista de capitais brasileiras mais visitadas.

O que fazer em Florianópolis, onde se hospedar, como chegar, quando visitar e quanto tempo ficar? Veja neste post as respostas para essas perguntas e muitas outras dicas para preparar a sua viagem.

ONDE FICA FLORIANÓPOLIS

Florianópolis é a capital do estado de Santa Catarina, na região sul do Brasil. A maior parte da cidade ocupa uma ilha, que é ligada ao continente por meio da ponte Pedro Ivo Campos, de 1,2 km de extensão.

Confira no mapa onde fica Florianópolis:

Como chegar e se locomover

Não se deixe enganar pelo tamanho. Florianópolis pode ser uma ilha, mas sua extensão é grande. Do Norte ao Sul são 54 km.

Seu sistema de transporte público não é dos melhores e não trará agilidade ao seu dia a dia como turista. As melhores alternativas para se locomover pela cidade são de Uber ou táxi, ou ainda de carro. Caso não esteja com carro próprio, uma alternativa é alugar um, o que pode ser feito no aeroporto.

Na nossa parceria Rent Cars você compara o valor de diferentes locadoras e aluga um carro com desconto.

De avião

A capital catarinense abriga o Aeroporto Internacional Hercílio Luz, também conhecido como Floripa Airport. Com um novo e moderno terminal desde outubro de 2019, ele recebe voos diretos vindos das principais cidades do Brasil.

Uma viagem de avião entre São Paulo e Florianópolis leva cerca de 1h10. Já do Rio de Janeiro são 1h30. 16 km separam o centro da cidade e o Aeroporto, que fica no sul da ilha. O trajeto leva 20 minutos com o tráfego normal.

De carro

Chegar a Florianópolis de carro é mais comum para aqueles que moram no sul do Brasil. De Curitiba são pouco mais de 300 km e de Porto Alegre são 470 km.

De São Paulo a Florianópolis a viagem exige disposição. São 700 km que levam em média 9h30 para serem percorridos (isso se o trânsito estiver bom). A estrada que liga tanto quem vem do Norte quanto do Sul é a BR-101.

De ônibus

De São Paulo, as viações Catarinense, 1001 e Eucatur atendem o trajeto partindo da rodoviária do Tietê. A viagem é longa, de até 12 horas, mas é a alternativa mais econômica. As passagens partem de R$139,99 em ônibus convencional, mas sobem de acordo com a demanda (alta temporada) e o conforto, já que também há opções em ônibus leito. Confira todos os horários e valores clicando aqui.

De Porto Alegre, as viações Santo Anjo, Nordeste e Eucatur fazem a viagem em pelo menos seis horas e cobram a partir de R$ 119,99. Confira aqui todos os itinerários e valores.

Já para quem parte de Curitiba, são cerca de cinco horas de viagem. As empresas Eucatur, Expresso Nordeste, 4Bus, Catarinense e Brasil Sul operam o trecho com bilhetes que partem de R$ 49,99. Clique aqui para checar todas as opções.

QUANDO VISITAR FLORIANÓPOLIS

Para quem busca tempo bom e calmaria, a melhor época para visitar Florianópolis é no início do outono, mais especificamente entre o meio de março e final de abril. Nesse período as temperaturas ainda estão agradáveis para curtir as praias (com máximas de até 28°C), as chuvas são leves e o trânsito intenso da alta temporada já terá desaparecido.

O calor toma conta de Floripa de dezembro a fevereiro, mas com ele vem também uma onda de turistas. Por ser uma ilha, a infraestrutura das vias encontra limitações para ser ampliada e assim atender o fluxo de carros dos meses de verão. Conclusão: prepare-se para muito trânsito.

Se for visitar Florianópolis no verão – e muitos vão justamente nesse período porque é quando a cidade recebe suas famosas festas –, minimize o desgaste no trânsito se hospedando na região da ilha que você vai passar mais tempo.

De maio até agosto as temperaturas caem, com máximas na casa dos 20°C. Pode não ser muito frio para um inverno, mas é certamente frio para curtir a praia. De setembro a novembro Florianópolis tem o tempo instável que, frequentemente, fica nublado, com fortes ventos e com chuviscos o dia todo.

QUANTO TEMPO FICAR EM FLORIANÓPOLIS

Com seis dias em Florianópolis é possível conhecer as principais praias das suas diferentes regiões, fazer uma ou duas trilhas se gostar de ecoturismo, e também desbravar um distrito histórico da cidade.

Agora, se seu tempo é curto e você tem um fim de semana ou até quatro dias, tudo bem também. O segredo de um roteiro otimizado para quem tem pouco tempo em Florianópolis é focar em apenas uma região da ilha (Norte ou Sul), conforme o seu perfil. Mais adiante falaremos melhor sobre as regiões.

ONDE SE HOSPEDAR EM FLORIANÓPOLIS

O centro e a região da Lagoa da Conceição são estratégicos para quem deseja boa localização para rodar os quatro cantos de Florianópolis. O centro tem hotéis com excelente custo-benefício, enquanto na Lagoa da Conceição você encontra pousadas charmosas, além de ter a vantagem de poder usufruir de uma vida noturna completa e estar perto da Praia Mole e Praia da Joaquina.

Ao norte de Florianópolis estão as famosas praias de Jurerê, Ingleses, Canasvieiras e Santinho. Elas são conhecidas pela badalação, boa infraestrutura e por ter hotéis confortáveis, combo que atrai tanto o público jovem quanto famílias.

No sul da ilha o ambiente de requinte fica de lado para dar lugar à rusticidade e ao sossego. Com pousadas menores e integradas à natureza, essa região é perfeita para quem busca tranquilidade. Nessa região, a Praia do Campeche é uma das preferidas dos turistas para se hospedar.

Confira as nossa sugestões de onde se hospedar em Florianópolis:

Econômico
  • Valerim Florianópolis: no centro, é um achado para quem quer economizar sem passar perrengue. Hotel três estrelas com café da manhã cobrado a parte.
  • On The Road Hostel: está de frente para a Lagoa da Conceição, tem clima jovial e descontraído. Não tem café da manhã, mas oferece cozinha compartilhada para o preparo das refeições.
  • Geckos Hostel: também na Lagoa da Conceição, é ideal para quem gosta do estilo party hostel. Todos os quartos são compartilhados e o café da manhã é servido por um custo adicional.
  • Pousada Vila Marina: na Praia dos Ingleses, a pousada oferece estúdios e apartamentos com cozinha para até 6 pessoas. Na área comum há uma área com churrasqueiras e é servido o café da manhã, que está incluso nas diárias.
  • Pousada Lagoa da Chica: na Praia do Campeche, oferece estúdios simples mas super completos para até 4 pessoas. 

Bom custo-benefício
  • Pousada Lozalti: oferece suítes e apartamentos na Barra da Lagoa com ar-condicionado, banheiro privativo e cozinha compacta. Na área comum os hóspedes têm à disposição uma piscina, jardim e churrasqueira. O café da manhã é incluso nas diárias.
  • Hotel Sete Ilhas: de frente para a Praia de Jurerê, oferece desde suítes a casas para até 8 pessoas em um ambiente moderno e bastante agradável. Os hóspedes podem preparar as próprias refeições na acomodação ou desfrutar do restaurante local, onde também é servido um excelente café da manhã.
  • Canto dos Pássaros: em Canasvieiras, possui apartamentos novos e super completos que acomodam até 5 pessoas. A região é boa para famílias com crianças e há supermercados e restaurantes nas proximidades. 
  • Pousada Ilha Faceira: uma das melhores escolhas na Praia do Campeche, conta com piscina e uma estrutura agradável. Com um bom café da manhã incluído nas diárias, está a apenas 100 m da praia e a uma curta caminhada da zona de restaurantes.

Conforto
  • Hotel Boutique Quinta das Videiras: é o lugar para quem quer conforto e exclusividade próximo a Lagoa da Conceição. Conta com decoração elegante, serviço de spa e chá da tarde. O café da manhã está incluso.
  • Il Campanario Villaggio Resort: na badalada Jurerê, possui boa localização e estrutura completa. Conta com café da manhã, piscinas, spa e está a dois minutos de caminhada da praia.
  • Pousada dos Sonhos: também em Jurerê, oferece vista para o mar, quartos com banheira de hidromassagem e clima romântico.
  • WK Design Hotel Florianópolis: na orla norte do centro de Florianópolis, é uma opção mais requintada. Oferece acomodações 5 estrelas com restaurante, academia e bar.
  • Costão do Santinho: de frente para a Praia do Santinho, o resort possui uma grande estrutura e 6 restaurantes que funcionam no esquema all inclusive. As instalações ainda incluem piscinas, paintball, quadra de golfe, campo de tênis e spa.

O QUE FAZER EM FLORIANÓPOLIS

Agora que você já sabe mais sobre a locomoção e hospedagem na ilha, é hora de partir para o tópico mais importante: afinal, o que fazer em Florianópolis?

Confira todas as nossas sugestões:

Praias

Praia Mole. Foto: MTur Destinos

Florianópolis tem mais de 40 praias. Por isso, escolher quais visitar pode ser uma tarefa difícil.

Para otimizar o seu tempo, lembre-se que a ilha é grande e o trânsito (principalmente durante a alta temporada) é bastante intenso.

Se você tiver poucos dias na ilha, focar nas praias próximas do seu local de hospedagem pode ser a escolha mais acertada.

Para te ajudar na programação, selecionamos as principais praias de cada região. Confira:

No norte da ilha

A pequena Praia da Daniela está virada para o continente e por isso tem mar tranquilo, o que atrai famílias com crianças pequenas. Outra boa opção para a criançada é a Lagoinha, essa, porém, com menos infraestrutura.

Jurerê é a praia da badalação e ocupa a área mais valorizada de Florianópolis. Conta com ótima infraestrutura, restaurantes renomados e ares sofisticados – principalmente no lado esquerdo da praia, chamado de Jurerê Internacional. Na alta temporada é comum ter festas na areia e beach clubs no final da tarde e, à noite, é a vez das casas noturnas lotarem de turistas.

A Praia do Ingleses e de Canasvieiras são bem desenvolvidas, quase como cidades independentes com seus centros comerciais, vasta opção de hotéis e restaurantes. A faixa de areia é tomada por quiosques, o que faz delas praias mais urbanas.

Já a Praia do Santinho é mais famosa por abrigar o tradicional Costão do Santinho. Fora do resort não há muita estrutura, mas a faixa de areia é larga e as águas mais movimentadas, o que atrai os amantes do surf.

Se busca um ambiente mais rústico no norte da ilha, seu lugar é a Praia do Forte. Guardada pelo Forte de São José de Ponta Grossa, você chega até ela pelo canto esquerdo de Jurerê. Restaurantes simples servem bons pescados no almoço e você foge do intenso movimento do norte de Floripa.

Por fim, a Praia Brava, com suas imensas ondas, também é outro point de surfistas.

No leste da Ilha

A Barra da Lagoa tem clima de vila de pescadores. O mar tranquilo atrai famílias e o bairro, pequeno, tem boa estrutura de comércio e serviços. É lá que está a sede do Projeto Tamar de Florianópolis.

A Praia Mole fica entre o meio termo da rusticidade e da urbanização. Rodeada por verde sem grandes construções a vista, ela conta com barzinhos pé na areia que atraem os jovens. A praia é de tombo e tem bastante onda. Dê uma esticadinha até o Mirante da Praia Mole e tenha uma vista linda da Lagoa da Conceição.

A Praia da Joaquina é um dos cartões-postais de Floripa. Tem boas ondas para surfe e é rodeada por dunas que fazem da praia um cenário único e especial. Quem quiser, também pode se aventurar no sandboard por ali. É bem servida por quiosques e tem uma faixa de areia extensa.

No Sul da Ilha

A Praia do Campeche possui a melhor infraestrutura turística do sul da ilha e por isso acaba sendo o ponto de apoio escolhido por aqueles que querem fugir dos movimentados Norte e Leste. Não é das praias mais bonitas, mas tem bons hotéis e restaurantes, além de fácil acesso para as outras praias do Sul.

A Praia da Armação é mais rústica, com águas calmas e ares de vila de pescadores, enquanto sua vizinha, a do Matadeiro, é selvagem e concentra grupos de surfistas em busca das boas ondas.

Já a Pântano Sul é um praião sem grandes encantos que entrou na rota turística devido ao Bar do Arante. A comida é caseira, os preços são justos, mas a graça fica mesmo nos milhares de bilhetinhos deixados pelos turistas de todo o mundo.

Trilhas

Trilha do Morro da Coroa em Florianópolis

Foto: Papa Pic via Flickr

O percurso mais famoso é a trilha da Lagoinha do Leste, a praia mais selvagem de Floripa. São dois os acessos. O primeiro tem início na Praia do Pântano Sul, leva pouco mais de uma hora mas conta com uma subida bem íngreme. O segundo começa na Praia do Matadeiro e leva cerca de três horas, mas é praticamente toda plana.

Na Lagoinha do Leste não há nenhuma infraestrutura, por isso é fundamental levar lanches e água. Chegando até ela, se ainda tiver fôlego, faça a trilha do Morro da Coroa que, depois de muita subida, leva até a mais linda vista do sul de Florianópolis.

Na alta temporada é comum encontrar barqueiros que ficam de plantão na Lagoinha do Leste para levar os trilheiros cansados de volta a Praia do Pântano Sul. Quer chegar até esse paraíso intocado sem caminhar? É só fazer o trajeto de ida e volta com os barqueiros desde o Pântano Sul.

Se busca um percurso mais fácil, a trilha das Piscinas Naturais na Barra da Lagoa é uma excelente opção. São apenas 20 minutos de caminhada até piscinas naturais com água cristalina formadas entre enormes rochedos. O início da trilha fica ao lado da ponte metálica do canal da Barra da Lagoa e há sinalização.

Ilha do Campeche

Ilha do Campeche, em Florianópolis

Praia na Ilha do Campeche. Foto: Rodrigo Soldon via Flickr

A Ilha do Campeche guarda a praia de azul mais límpido, areia mais branquinha e águas mais calmas de Florianópolis. Um paraíso! Para chegar até ela é necessário pegar um barco na Praia do Campeche (15 minutos) ou na Praia da Armação (40 minutos).

Nela, sempre acompanhado por guias, você pode fazer uma trilha até sítios arqueológicos para ver inscrições rupestres. Ou então pode apenas se estirar na areia e curtir o mar estilo caribenho.

Costa da Lagoa

Lagoa da Conceição em Forianópolis

Chegada das embarcações na Costa da Lagoa. Foto: MTur Destinos

Com um barco que atravessa a Lagoa da Conceição você chega à Costa da Lagoa, um pequeno povoado com simples e agradáveis restaurantes na beira da lagoa. O forte aqui são os pescados e os camarões. As embarcações partem do Parque Florestal Rio Vermelho (10 minutos de travessia) ou do centrinho da Lagoa da Conceição (30 minutos).

Você também pode chegar até o povoado da Costa da Lagoa por uma trilha moderada, de uma hora. O início dela fica no final da Estrada do Canto dos Araçás. Para a volta, se o cansaço for grande, é possível pegar os barquinhos e pagar por apenas um trecho.

Centro histórico

O que fazer em Florianópolis: visitar o Centro histórico

Catedral Metropolitana de Florianópolis. Foto: MTur Destinos

Com construções coloniais preservadas, um dos destaques do Centro histórico de Florianópolis é o Mercado Público. Programe sua passagem por aqui na hora do almoço para saborear algumas das delícias servidas nos restaurantes e bares locais.

Logo ao lado está a Casa da Alfândega, que é o mercado de artesanato da cidade. Na Praça XV estão a Catedral Metropolitana e o Museu Histórico de Santa Catarina.

Santo Antônio de Lisboa

Santo Antônio de Lisboa em Florianópolis

Pôr do sol em Santo Antônio de Lisboa. Foto: MTur Destinos

Santo Antônio de Lisboa é um vilarejo açoriano que parece ter parado no tempo. As ruelas são de paralelepípedo e as casinhas conservam o estilo colonial. Um passeio perfeito para bater perna e conhecer as inúmeras galerias de arte que se instalaram nesse bucólico bairro de Florianópolis.

A dica de ouro é programar sua visita no final da tarde, a tempo de ver o pôr do sol, que é considerado um dos mais bonitos da ilha. Se acomode em um dos inúmeros restaurantes com vista para o mar e aprecie o espetáculo.

Ribeirão da Ilha

Ribeirão da Ilha

Casinhas coloridas em Ribeirão da Ilha, Florianópolis. Foto: MTur Destinos

Ribeirão da Ilha é outro vilarejo açoriano que vale a visita, principalmente se você é amante de ostras. Isso porque é aqui que está o maior cultivo de ostras da região. Aconchegantes restaurantes com vista para o mar servem a iguaria extremamente fresca.

Baixe o mapa

Baixe o mapa no Google Maps para ter na palma da sua mão todas as atrações que comentamos neste post:

Salve as nossas dicas no Pinterest!

 

Tags:     

«
»